ABSONANTE

Na busca de Justiça, já cansado da ignorância e da desonestidade intelectual.

quarta-feira, junho 29, 2005

A LAVAGEM

Alguns indivíduos, para mim repugnantes mas que têm entrada nos media, resolveram fazer uma sessão de lavagem das mentes mais fracas da população portuguesa.

E o que querem esses sujeitos? Primeiro que tudo negar o chamado arrastão, mas com certeza virão, também, as culpas da polícia e a proclamada necessidade de mais um período de legalização de imigrantes. E depois uma nova lei da nacionalidade para que "os" possamos integrar.

Talvez seja bom lá estarmos também. A reunião é na Videoteca Municipal, no Largo do Calvário, amanhã, 30 de Junho, 5ª feira, pelas 21h30m.

terça-feira, junho 28, 2005

VALE A PENA LER

Carlos Blanco de Morais, no seu melhor estilo e conhecimento, discorre hoje, no DN, sobre a lei da nacionalidade.

Vale a pena ler o artigo em questão,
"Sombras sobre a lei da nacionalidade" , pois há muita matéria para pensarmos.

De qualquer modo, para o Absonante, parece desejável que, mesmo nacionais de 1ª ou 2ª geração (isto é, indivíduos já naturalizados), possam ser expulsos do País por má conduta, tal como acontece com os netos de emigrantes açorianos que somos obrigados a receber, vindos dos EUA, e que nem Português falam.

Por outro lado, quem desejar ter a nacionalidade portuguesa e desde que esteja nas condições para a ter (com estas condições a serem necessariamente restritas), deve ter de jurar a sua fidelidade a Portugal, para além de ter de fazer provas escritas que mostrem o seu conhecimento da língua portuguesa, bem como das suas leis, costumes e tradições.

SÓ ASSIM. E JÁ É MUITO.

segunda-feira, junho 27, 2005

PARABÉNS !!

O
"O Porta-Bandeira" faz hoje um ano.

Ao seu autor deseja o Absonante que se mantenha Português, atento, irreverente e politicamente incorrecto.

E que o seu blog perdure por muitos anos.

sábado, junho 25, 2005

A DECADÊNCIA


Um asco o que vi na televisão.
Metade da palhaçada era brasileira. Porque é que não ficaram a sujar a terra deles?

Com créditos para o "Nonas" aqui fica a seguinte entrevista:

Los activistas gays tratan de ocultar que hay personas que han salido de la homosexualidad, afirma Nicolosi.

Entrevista con el Dr. Joseph Nicolosi publicada en la Revista Católica "Studi Cattolice".

La homosexualidad no es 'normal', es síntoma de algún desorden. Según el doctor Nicolosi, en contra de lo que promueve el movimiento gay, no se ha demostrado que existan causas genéticas. Los problemas afectivos en el seno de la familia están entre las causas más comunes. Muchos homosexuales han dejado de serlo después de pasar por la asociación de Nicolosi.

El doctor californiano Joseph Nicolosi es cofundador y director de una institución americana que estudia la homosexualidad, la Asociación Nacional para la Investigación y la Terapia de la homosexualidad (NARTH). Desde hace varios años pone en práctica una terapia reparativa de la homosexualidad, es miembro de la Asociación Psicológica Americana y autor de numerosos libros y artículos científicos.


-Doctor Nicolosi, ¿qué es la homosexualidad?

-La homosexualidad es un síntoma de un problema emotivo y representa necesidades emotivas insatisfechas desde la infancia, especialmente en la relación con el progenitor del mismo sexo. En otras palabras: para el chico que no ha tenido una conexión emotiva con el padre, y para la chica que no ha tenido atención emotiva por parte de la madre, ello puede inducirlos a desarrollar un síntoma de atracción hacia el propio sexo u homosexualidad.

-¿La homosexualidad es 'normal'? Y ¿qué es normal?

-Yo no pienso que la homosexualidad sea normal. Aproximadamente, un 2% de la población es homosexual. Por tanto, estadísticamente, no es 'normal', en el sentido de que no está muy difundida. Además de esto, no es normal tampoco en términos de natural design. Cuando hablamos de ley natural, y de la función del cuerpo humano, cuando miramos la función del cuerpo humano, la homosexualidad no es normal. Es un síntoma de algún desorden. La normalidad es aquello que cumple una función conforme al propio design; esto es el concepto de ley natural, y en este sentido la homosexualidad no puede ser normal, porque la anatomía de dos hombres, los cuerpos de dos hombres, o dos mujeres, no son compatibles.

-¿Cuáles son las causas de la homosexualidad? ¿Existe una causa genética?

-Como he dicho, las causas de la homosexualidad se remontan a la autopercepción del niño o de la niña en la primera infancia. El chico necesita de una relación con su padre para desarrollar su substancial identidad masculina, la chica necesita de una unión emotiva o relación con su madre para desarrollar su feminidad. Es el sentido del género que determina la orientación sexual. En otras palabras, cuando un chico se siente seguro de su masculinidad, se siente naturalmente atraído por las mujeres. Y lo mismo ocurre con las mujeres: cuando una joven chica se siente segura de su identidad femenina, se siente naturalmente atraída por los chicos. El homosexual es una persona que carece del sentido de género, y por ello trata de remediar, o busca un remedio, a través de otras personas. Esta inclinación se hace sexualizada, y es por ello por lo que manifiestan el síntoma de la homosexualidad. Se habla mucho de las causas genéticas de la homosexualidad y más o menos hace veinte años en los Estados Unidos se hablaba del 'gen gay', o del 'cerebro gay', pero ningún estudio ha demostrado tal cosa. De hecho, los activistas gays en los Estados Unidos ya no hablan tanto de bases biológicas o genéticas, porque ningún estudio lo ha demostrado ni ha ofrecido tal confirmación. Son mucho más evidentes las causas familiares y ambientales, especialmente aquella que llamamos la 'clásica relación triádica' constituida por un padre distanciado y crítico, por una madre hiperinvolucrada, intrusiva y a veces dominante y por un chico constitucionalmente sensible, introvertido y refinado que está expuesto a un riesgo mayor de sentirse falto en la identidad sexual. Nosotros vemos este esquema continuamente. Reconocemos que en muchas personas hay una predisposición constitucional a la homosexualidad, pero es una cosa distinta a la predeterminación o a una causa' directa. Esto es, el chico puede ser constitucionalmente proclive a la homosexualidad, en los términos de su constitución pasiva o delicada, en su dificultad en crear un vínculo con el padre y en sentirse confiado para con el mundo masculino, pero es necesaria la 'clásica relación triádica' ambiental para crear un problema homosexual a un chico con esta constitución.

-¿Cuál es la diferencia entre gay y homosexual?

-Es esencial hacer esta importante distinción entre gays y homosexuales. Los activistas gay querrían que nosotros creyésemos que todos los homosexuales son gays. Nosotros no creemos que ellos sean gays. La palabra "gay" indica una identidad sociopolítica. "Homosexual", en cambio, es simplemente una descripción de un problema psicológico, de una orientación sexual. Las personas que vienen a nuestra clínica, que buscan una ayuda, tienen un problema homosexual, pero rechazan la etiqueta de "gays". No quieren ser llamados "gays" porque no se reconocen en aquella identidad sociopolítica y con el estilo de vida gay.

-El movimiento gay ¿es un movimiento por los derechos humanos?

-Desde un cierto punto de vista lo es, es un movimiento por los derechos humanos, o por los derechos civiles, porque todas las personas, no importa cuál sea su orientación sexual, tienen que disfrutar de los derechos civiles. De todos modos, ello no significa que la sociedad deba redefinir el matrimonio; esto es otro argumento que va más allá del objetivo de esta conversación. Nosotros creemos que muchos activistas gays han usado la cuestión de los derechos civiles o de las libertades civiles como una manera para oprimir personas que están tratando de cambiar, personas que están tratando de salir de la homosexualidad. Hay una población entera de individuos que han salido o que están saliendo de la homosexualidad, y este hecho es una amenaza para los activistas gays, que están tratando de suprimir y silenciar este punto de vista, esta población.

-Los investigadores dicen que los homosexuales sufren mucho. La causa de este sufrimiento ¿es la homosexualidad o la homofobia social?
-Nosotros creemos que hay sufrimiento para las personas homosexualmente orientadas en la sociedad, porque la cultura gay es minoritaria en esta sociedad y porque los objetivos sociales del movimiento gay constituyen una amenaza para el cuerpo social. Los gays quieren redefinir el matrimonio, la naturaleza de la paternidad y la norma social fundamental acerca del género y del sexo; por ello la sociedad se ha resistido a la normalización de la homosexualidad y a la visibilidad de los gays. Y reconocemos que ello sea difícil para las personas que se identifican como gay. De todos modos, de lo que no se habla es del desorden intrínseco en la condición homosexual. Nosotros creemos que la homosexualidad es intrínsecamente desordenada y contraria a la verdadera identidad del individuo. Muchos de los síntomas de los que sufren las personas gays y lesbianas no son causados por la homofobia social, sino porque su condición misma es contraria a su verdadera naturaleza. Muchísimos estudios demuestran que los homosexuales son más infelices, depresivos, predispuestos a los intentos de suicidio, tienen relaciones pobres, son incapaces de mantener relaciones a largo plazo, tienen comportamientos autolesivos e inadaptados. Pero no se puede simplemente decir que todo ello esté causado por la homofobia de la sociedad. En parte lo es, pero yo creo que la mayor parte de los sufrimientos se deben a la naturaleza desordenada de la misma homosexualidad, porque se opone nuestra naturaleza humana.

-¿En qué consiste la terapia reparativa?

-Es un tipo particular de psicoterapia que se aplica los individuos que quieren superar su atracción homosexual. Mira a los orígenes y las causas de esta condición, que ayuda a la persona a comprenderse, enseñándole a entender qué ha ocurrido en su infancia, a entender los sucesos particulares que le han ocurrido, especialmente en los términos de las relaciones con su madre y con su padre, y a ir más allá de todo ello. Intenta apoyarla para crear nuevas relaciones que son sanas, benéficas, y que compensan el vacío emotivo que se ha creado en su desarrollo. La terapia reparativa estudia realmente fondo las técnicas que son más eficaces para disminuir la homosexualidad de una persona y desarrollar su potencial heterosexual.

-¿Cuáles son las bases teóricas de la terapia reparativa?
-La terapia reparativa comienza, teóricamente, con la terapia psicodinámica, esto es, aquella que estudia las fuerzas subconscientes que gobiernan el comportamiento de las personas. Desde el punto de vista teórico, nosotros creemos que las necesidades emocionales no satisfechas se expresan indirectamente bajo forma de síntomas, y, en el caso de la homosexualidad, como atracción homosexual. Pero la homosexualidad no afecta realmente al sexo, sino más bien al intento de adquirir satisfacciones emotivas e identificación, complemento, a través del comportamiento homosexual. Un intento que, sin embargo, no funciona, y, por esta razón, las personas vienen a buscarnos. Muchos de los desarrollos teóricos están basados en la teoría psicodinámica clásica. Nosotros usamos muchos conceptos freudianos. Como es notorio, Freud pensaba que la homosexualidad era un desorden del desarrollo.

Aunque el mismo Freud fuera un defensor de los derechos de los gay, creía que el tratamiento debía estar disponible para aquellos que querían cambiar, y nosotros seguimos la misma línea. Trabajamos también con la familia de origen, ayudando al paciente a entender sus relaciones con ella y cómo el sitio ocupado por él en la estructura familiar lo ha conducido al fracaso en la adquisición del propio género.

"Sus sufrimientos se debían a causas emotivas"

El cambio es realmente posible. Nosotros vemos cada vez más individuos que quieren dar un paso al frente y dar su testimonio. Hace cinco años hubiera sido muy difícil encontrar un ex homosexual que quisiera exponerse, pero felizmente hay hombres y mujeres que eran declaradamente gays y lesbianas, que vivían un estilo de vida gay, y ahora quieren discutir abiertamente su proceso de cambio. Aunque les habían dicho que no tenían otra opción que ser gay, que tenían que aprender a aceptarlo, muchos de ellos ahora están casados y tienen niños. Estas personas han sido capaces de ir al fondo de las causas de su atracción hacia el propio sexo y han descubierto que sus sufrimientos se debía a causas emotivas.

En defensa del derecho a cambiar

En 1973, la Asociación Psiquiátrica Americana (APA) retiró la homosexualidad de su Manual de Desórdenes Mentales en una tormentosa sesión en la que el lobby homosexual culminaba tres años de fortísimas presiones. A pesar de las presiones, la retirada de la homosexualidad del catálogo de desórdenes mentales se aprobó por una mayoría de tan sólo un 58 por ciento.

La medida fue una victoria para el movimiento gay, pero una derrota tanto para los homosexuales que veían en su condición un desorden incompatible con su sistema de valores y con la vida que deseaban vivir como para los profesionales de la Psiquiatría que habían desarrollado técnicas terapéuticas para la rectificación de la orientación sexual.
¿Cómo seguir curando una condición que el propio órgano colegiado de la Psiquiatría había dejado de considerar patológica?

Ese motivo llevó a tres destacados especialistas norteamericanos -Joseph Nicolosi, Charles Socarides y Benjamin Kaufman- a fundar en 1992 la Asociación Nacional para la Investigación y Terapia de la Homosexualidad (NARTH), como respuesta a la creciente amenaza de censura científica.

NARTH, que cuenta ya con más de un millar de miembros, ha avanzado extraordinariamente en su objetivo de establecer las credenciales académicas de su actividad, a pesar de la presión de activistas homosexuales que han intentado que la Asociación Psiquiátrica Americana declare contraria a ética cualquier terapia que anime a los homosexuales a cambiar su orientación sexual.

Los profesionales que forman parte de NARTH, con un largo historial en terapias de rectificación, creen que los pacientes tienen derecho a un tratamiento y que la postura censora de los movimientos gay está poniendo en peligro ese derecho.
_________________________________________


quinta-feira, junho 23, 2005

NÃO ENTRA MOSCA MAS EM COMPENSAÇÃO...


O ministro Correia de Campos considerou que o facto de o Hospital de S. João, no Porto, ter uma prevalência de infecções hospitalares que representa o dobro da média dos outros hospitais de Portugal, era culpa dos profissionais de saúde.

Está mesmo a ver-se: ali, médico que não for sujo e porco não entra; médico que lave as mãos é despedido.
Todos os outros hospitais têm médicos limpos e, já se sabe, quando encontram um que não o é, tratam logo de o enviar para o Porto, para o S. João.
É ali que se juntam os médicos e enfermeiros mais porcos de todo o país.

Não valia mais o ministro estar calado? Se as estatísticas apresentadas são verdadeiras, é evidente que a culpa não é dos médicos, nem do pessoal de saúde que ali trabalha. A culpa residirá em quem é responsável pelas condições físicas que o hospital apresenta. Dir-se-ia que a culpa seria do próprio hospital se não houvesse responsáveis, entre eles ministros como este que, ainda por cima, já não é a primeira vez que o é.

quarta-feira, junho 15, 2005

ABSONÂNCIA II

Consigo entender os comunistas, especialmente os mais velhos. Para esses, ele era um mito: durante anos liderou à distância - a partir do seu “sol na terra” - e de forma distante, mesmo com os mais próximos e directos colaboradores, com quem nunca travou amizade; era um “herói” que estivera preso e conseguira fugir; nele, o ódio aos que não eram comunistas estava sempre presente; nunca transigira com esses, nem mesmo depois de mortos; nessas ocasiões, quando morriam, por vezes até lhes chamava “cães raivosos”; para ele não havia campo algum da actividade humana onde um não comunista pudesse brilhar, ninguém, mesmo ninguém, por melhor que fosse, era considerado bom se não fosse comunista.

Consigo entender até os socialistas, especialmente os quadros mais velhos. Para estes, que até tinham sido companheiros de partido e, por isso, tinham sofrido da síndroma do “mito”, ele era aquilo que eles não tinham conseguido ser; ele mantivera-se no mesmo ponto, enquanto eles cederam aos interesses “burgueses” e à boa vida; ele era o “forte”, eles são e serão os “fracos”; ele mantinha-se lá onde eles gostavam de ainda estar, mas eles não tinham conseguido resistir aos apelos do hedonismo e do corpo e tinham desistido.

Mas e os outros? . . . Os outros que elogiam esse “anjo negro” da política, esse cúmulo da maldade, esse antipatriota, essa negação constante do humano e do espiritual, esses eu não consigo entender!!
Só a falta de dignidade, a falta de respeito por si mesmos é que pode levar ao elogio fácil da besta que ele encarnou. Verdadeiramente ele foi o 666 em Portugal. Ele foi a força contrária à Senhora de Fátima. Foi para isso que veio. As forças das trevas chamaram-no agora porque Lúcia já tinha ido. Para a besta ele já não era necessário. Para Portugal nunca o foi.

Ele nunca elogiou ninguém que não pertencesse às suas nefandas tropas. Mesmo sabendo que não somos como ele, como é que se atrevem sequer a pensar que ele era leal, sério e honesto? Se encontro desculpa para os jovens que o não conheceram, mesmo quando se dizem nacionalistas (como é que é possível?), ela não existe para os mais velhos. Repito, como é que é possível?

Cresci pensando que ele tinha mandado assassinar, na Clínica da Sofia, aqui em Coimbra, um destacado militante do seu partido, professor de Matemática na Universidade, e que se tinha convertido ao catolicismo e abandonado o PC. Ontem, na televisão, ouvi um filho deste militante, meu amigo, elogiar a encarnação da besta. Onde é que estamos?

NÃO SE DEIXEM LEVAR NA ONDA. E TENHAM VERGONHA. TENHAM VERGONHA. NÃO PERCAM A DIGNIDADE NEM O DISCERNIMENTO.

segunda-feira, junho 13, 2005

ABSONÂNCIA

Pessoalmente, mas também como Português, NÃO POSSO PERDOAR NEM ESQUECER.

Porque não morre o 25 de Abril?

domingo, junho 12, 2005

HÁ 20 ANOS . . .

Em 12 de Junho de 1985, abandonámos o Desígnio Português de 6oo anos.

Hoje lutamos com inúmeras dificuldades, quase insuperáveis devido a esse abandono.

É TEMPO DE DIZER NÃO.

DIZER NÃO À CONSTITUIÇÃO EUROPEIA.

MAS DIZER NÃO TAMBÉM À MOEDA ÚNICA.

DIZER NÃO À PRÓPRIA UNIÃO EUROPEIA.









sábado, junho 11, 2005

AUTÁRQUICAS

O ex-protegido de Pedro Santana Lopes (e já aqui retratado), acabou as negociações com o CDS/PP.

Não obstante estarmos distanciados da situação, podemos dizer que foi muito bom para o CDS, apesar do rompimento ter acontecido contra a sua vontade.
É que apoiar um indivíduo destes - com uma moralidade destas - suja qualquer um.

Pode ser, assim, que apareça em Lisboa um bom candidato ou alguma boa candidata. Cá por mim preferia a boa candidata.


EXPERIÊNCIA

Não sou um adepto dos comentários, nem tenho tempo para o seu tratamento, se vier a ser caso disso.
Apesar desta posição, admito que possa ser uma boa ligação com leitores interessados e criteriosos, razão única que me levou a colocar à disposição dos mesmos, e a partir de hoje, o sistema de comentários Haloscan.
Nos primeiros dias estará à experiência. Veremos como tudo decorrerá.

CRIMINALIDADE NEGRA


Não sou racista nem perfilho ideias de perseguição baseadas na cor da pele.

Mas não é possível mantermo-nos indiferentes perante aquilo que se está a passar no nosso País.

As bolsas de marginais imigrantes e filhos de imigrantes, normalmente negros, existentes em Portugal, está a transformar esta terra num país racista ou, no mínimo, desconfiado em relação aos negros (e não só!).

Os homicídios de polícias e não polícias, os roubos, o tráfico de droga, os assaltos à mão armada, as intimidações, os crimes negros em geral, NÃO PODEM CONTINUAR IMPUNES, pelo simples facto de serem cometidos por negros.

O facto da imprensa não poder - e também não querer - relatar a cor de quem comete os crimes, é também criminoso.

Todos os imigrantes - e, também, os seus filhos mesmo que portugueses - deviam ser imediatamente repatriados caso fossem condenados por qualquer crime. O que se está a passar é intolerável. Eles são nossos convidados e se não se sabem comportar devem ser, pura e simplesmente, expulsos.

A política de portas escancaradas também tem de acabar.

Os SEF têm de ser acarinhados e, ao mesmo tempo, deve exigir-se-lhes empenho e determinação na defesa das fronteiras e na expulsão imediata dos imigrantes ilegais.
O que os vários governos têm feito, com as várias legalizações de imigrantes, é dar sinais de que quem quiser pode vir, especialmente de forma ilegal, pois mais tarde ou mais cedo é legalizado.

Por outro lado, a nacionalidade tem sido, também, concedida de forma indiscriminada. O modo automático como um indivíduo se torna português, sem que uma cerimónia ou um juramento de fidelidade a Portugal, à ordem instituída e aos seus costumes se faça, é inconcebível.

E não venham dizer que os Portugueses são um povo de emigrantes que sempre desejou ser bem tratado nos países de acolhimento!
Porque os Portugueses sempre se comportaram decentemente nos países para onde emigraram! Sempre foram, até, conhecidos por isso e pela sua capacidade de integração e de trabalho. E, quando isso não sucedeu, como com aqueles açorianos de terceira ou quarta geração que se comportaram mal nos EUA, eles também cá vieram parar, mesmo sem sequer saberem falar Português.

Estes indivíduos que para cá imigraram, ou os seus filhos, dizem mal de Portugal, riem-se da impunidade de que gozam, não se querem integrar, ocupam alguns bairros e áreas limítrofes das cidades portuguesas e onde a polícia não entra, e gastam demasiados meios num país que é pobre mas gosta de paz e segurança.

É IMPORTANTE QUE O GOVERNO (OU A ASSEMBLEIA) IMPONHA QUE:
  1. Se passe a ter respeito pela nacionalidade e a mesma seja concedida com parcimónia;
  2. Imigrantes que cometam crimes sejam repatriados (se a palavra assusta chamem-lhe deslocalização de imigrantes, a palavra está na moda e deixa de ser usada apenas com má finalidade).
  3. Filhos de imigrantes e nacionais de primeira e segunda geração que cometam crimes sejam, também, repatriados para o país de origem.
QUEREMOS VOLTAR A TER UM PORTUGAL SEGURO, PERTENCENTE A PORTUGUESES E COM COSTUMES PORTUGUESES.


PERNICIOSO E MAU

Morreu Vasco Gonçalves, coronel da arma de Engenharia e uma das bandeiras da revolta de 1974 e dos comunistas.

Foi "general de aviário" e primeiro ministro em 1974 - a partir da intentona comunista de Setembro - e 1975.

Foi, de entre os elementos que desde sempre dirigiram Portugal nos quase nove séculos que levamos de História, um dos mais perniciosos para o País. Foi também um dos mais perigosos e que mais maldade arvorou.

Não deixa saudades a não ser entre aqueles que são como ele. Não lhe desejando mal, apenas temos pena que não tenha desaparecido antes de 1974.


sexta-feira, junho 10, 2005

10 DE JUNHO, DIA DE PORTUGAL



Hoje devemos chorar os mortos porque os vivos já os não merecem.

terça-feira, junho 07, 2005

PASSAGEM DE MODELOS




Hoje, durante o programa "Prós e Contras" dedicado à constituição europeia, deixei de dar atenção ao debate e comecei a olhar para os convidados.

Parecia que estava a ver uma passagem de modelos, imaginem lá, de penteados!!. . .

De um lado tínhamos o modelo "frade capuchinho", muito bem apresentado pelo "top model" Pacheco Pereira. Do outro - o lado do sim - tínhamos o penteado "onda de surf" apresentado pelo modelo Vital Moreira. Ainda desse lado, mas mais discretos, o penteado "onda africana" de Ribeiro e Castro e o penteado "mas pouco" de Miguel Beleza.

Perguntarão vocês porque terei dado tanta atenção aos bonitos penteados apresentados pelos "debatentes" (debutantes?) . A razão é simples. Com tão poucas, e ainda por cima pobres, ideias, dei por mim a pensar se aquelas caixas cranianas teriam espaço para mais qualquer coisa do que a raiz daquelas cabeleiras tão majestosamente empunhadas (ressalve-se aqui a falta das ditas no já citado Miguel Beleza).

Quem terá escolhido - e será que foi de propósito - os defensores do não?

Apesar de tudo, gostei do sim (à constituição morta ou em coma, como ele disse) do Miguel Beleza, bem como da ironia com que o apresentou. O sim, cuidado e bem explicado - e rigorosamente ao centro, entre o sim e o não, como foi dito - de Ribeiro e Castro, também foi importante para podermos dizer NÃO À CONSTITUIÇÃO EUROPEIA.





DUALIDADE DE CRITÉRIOS

Durante os últimos dias, calculo, Jorge Sampaio deve ter-se arrependido mil vezes de ter pronunciado a frase em que dizia "que há mais vida para além do défice".

Agora, depois do Coelho do PS ter falado sobre a necessidade de cortar os benefícios auferidos pelas sociedades financeiras, será que Jorge Sampaio volta a chamar a Belém João Salgueiro, como fez no tempo de Santana Lopes, e volta a dar-lhe razão? João Salgueiro, pelo sim pelo não, já começou a falar. . .

Parece que ele não acredita muito na volta a Belém e acredita mais na dualidade de critérios do presidente de todos . . . os socialistas.


domingo, junho 05, 2005

AUMENTAR AS RECEITAS MAS NÃO DIMINUIR AS DESPESAS

Diz o semanário "Expresso" que este governo está a nomear "boys" à velocidade de 12 por dia (não contabilizando, aqui, as nomeações para as empresas públicas).

Trata-se de uma medida emblemática para que as despesas não diminuam. José Sousa, dito o Sócrates, deve ter apostado com o seu ministro das Finanças que conseguia reduzir o défice sem diminuir as despesas do Estado, tanto mais que é para a presidência do governo que segue a maior parte destes "boys"...


ILEGAIS NINGUÉM DISSE QUE ERAM MAS . . .

As pensões do organismo público "Banco de Portugal" e do outro banco em que o maior accionista é o Estado Português - a Caixa Geral de Depósitos - são bem mais escandalosas que as subvenções vitalícias dos deputados ou de outros políticos (isto para falarmos só de algumas pensões, as mais notórias. Há ainda outras como, por exemplo, as do antigo Instituto das Participações do Estado).

Trabalhar 6 anos e passar a ganhar a pensão que o Ministro de Estado e das Finanças ganha é gozar com os "pobres diabos" que já trabalharam 36 anos mas que não se vão poder reformar por ainda não terem 65 anos de idade.
E juntar-lhe depois o ordenado de ministro, claro que é legal.
Legítimo, justo, ético é que parece não ser.

E então se isso se aplica à pessoa que propôs e apresentou as novas restrições passa também a ser VERGONHOSO.

CHAMAR OS BOIS PELO NOME

É a expressão portuguesa para aquilo que muito justamente Alberto João Jardim afirmou sobre os jornalistas.

Não é comparável ter uma reforma por se ter trabalhado 36 anos e ter uma por se ter trabalhado apenas 6 anos. Sendo, ainda por cima, esta última a maior.

NO EXPRESSO DA MEIA NOITE . . .

Foi curioso verificar tanto europeísmo que existe em Luís Queiró. É nisto que dão os ares de Bruxelas.

Surpreendente para alguns - mas não para mim - foi Manuel Monteiro a agitar o "papão" da extrema direita. É capaz de estar com medo que lhe "papem" o PND.

quinta-feira, junho 02, 2005

A LIÇÃO HOLANDESA

Os holandeses juntaram-se aos franceses e disseram não à Constituição Europeia.



E nós?

quarta-feira, junho 01, 2005

TRAIDORES E TRAIÇÕES

Mark Felt, aos 92 anos de idade, confessou ser o homem que conduziu os jornalistas do "Washington Post" à descoberta do escândalo Watergate.

Acrescentou que se sentia desonrado por essa parte do seu passado.

Aqui em Portugal, na televisão, vi um amigo meu, de Direita, elogiar Mark Felt e considerá-lo um patriota.
Fiquei desolado. Traidor é sempre traidor. E morre traidor. Mesmo que o tenha sido por razões democráticas, seja isso o que for.

Quer o traidor seja do FBI, ou do partido republicano dos EUA, ou do PSD em Portugal, ele não deixa de ser traidor.

E mesmo que seja presidente do partido ou seja o melhor candidato à presidência da república, não deixa de ser traidor por isso.

INDIGNADOS?

Aos cds's que me escreveram indignados eu digo que não têm razão.

Ao militante do cds que me enviou "provas" de que eram diferentes dos outros partidos, e me mostrou a "falta de democracia" desses outros partidos, eu digo que no CDS/PP sucede praticamente o mesmo.

Reafirmo que se viveu no golpe e na golpada depois de Adriano Moreira. Até recordo a eleição de Manuel Monteiro que, pode dizer-se, foi o máximo. . .

E dizer que a questão das datas é um pormenor - eu diria um "pormaior" - irrelevante, é não ter em conta que para se ser eleito presidente de concelhia, no CDS/PP, é necessário a convocatória sair com 30 dias de antecedência sobre o acto eleitoral.

Para presidente do partido, pergunto eu, necessita de menos dias?

Topo

________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________


________________________________________________________________________________

Sítios Que Nos "Linkaram"

________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________